Jornalismo de cultura pop com um jeitinho brasileiro.

O que rolou de filmes, séries e games no DC Fandome

Comic con particular da DC Comics, realizada inteiramente online no final de agosto, trouxe algumas novidades interessantes para quem se interessa pelas adaptações dos personagens da editora para outras mídias

Por THIAGO CARDIM

Num momento de pandemia global, com um necessário isolamento social (de novo: se puder, fica em casa, CARALHO!), as grandes empresas de conteúdo do planeta estão tendo que lutar para encontrar não apenas formas de manter suas produções em andamento, mas também faladas na boca do povo. Aquilo que os marqueteiros chamam de BUZZ.

E com o cancelamento dos eventos presenciais como uma Comic-Con de San Diego, por exemplo, chegou a hora das grandes ousarem tomar a narrativa para si mesmas e experimentar, da mesma forma que as plataformas particulares de streaming, criar os seus próprios eventos para fazer todo o seu barulho sozinhas. Já que vai ser tudo online mesmo, diabos, por que razão não concentrar as atenções APENAS nas minhas propriedades, sem ter que dividir espaço com a concorrência? Foi isso que a DC fez com o seu Fandome, eventão de 8h com diversos painéis cujo foco foi basicamente nas adaptações para os cinemas e TV (a segunda parte do evento, prevista para a metade de setembro, deve ter mais anúncios focados em quadrinhos).

Como foi um dia cheio de paradas acontecendo, o time do Gibizilla ficou grudadinho na frente de telinhas e telonas para fazer um resumão simples e direto do que você PRECISA saber (mas NÃO, não colocamos o #Snydercut aqui porque ele mereceu um texto à parte). Se liga!

Mulher-Maravilha 1984

Depois de um painel simpático que contou inclusive com a presença da icônica Lynda Carter, a heroína do seriado dos anos 1970, liberaram o trailer final do segundo filme da Princesa das Amazonas. A trama, que agora vai se passar nos anos 1980, parece bem interessante, com o estranho retorno de Steve Trevor do mundo dos pés juntos (e ainda usando uma pochete), Pedro Pascal dando vida ao deliciosamente insuportável Maxwell Lord (aguardando ansioso mais elementos da Liga da Justiça versão cômica) e finalmente o visual animalesco da Mulher-Leopardo (Cheetah) vivida por Kristen Wiig. Teve gente dizendo que parecia um efeito especial que sobrou da adaptação de Cats – gente, que maldade… 😉

Gotham Knights

Apesar do subtítulo remeter imediatamente aos jogos da franquia Batman – Arkham Alguma Coisa, não se engane — além deste jogo NÃO ser uma continuação dos jogos do Morcegão e nem integrar a mesma continuidade, ele sequer trazer o diacho do personagem na trama (pelo menos, vejam, até o momento…). Nesta produção da WB Games Montréal, o jogador vai poder escolher jogar com algum dos personagens da batfamília, o que inclui aqui o Robin, o Capuz Vermelho, a Batgirl e o Asa Noturna, tentando defender a metrópole depois da morte de seu mentor. Além do Senhor Frio aparecendo no gameplay, já sabemos que a Corte das Corujas deve dificultar a vida do quarteto. Gotham Knights tá previsto pra 2021, considerando PC, PS4, PS5, Xbox One e Xbox Series X.

The Flash – O Filme

Já a conversa sobre o filme do Velocista Escarlate apenas confirmou que, sim, estamos indo em direção a uma trama inspirada em Ponto de Ignição (Flashpoint), a saga dos quadrinhos na qual o Flash viaja pro passado para tentar impedir o assassinato de sua mãe pelo Flash Reverso. E, como bem aprendemos com Marty McFly, mudar qualquer coisa no passado tem impacto DIRETO no futuro. Se na versão dos gibis temos o encontro com uma versão alternativa do Batman (que, neste caso, é Thomas Wayne, o pai, e não o menino Bruce), sabemos que o Flash de Ezra Miller vai se encontrar com o Ben Affleck de volta no papel de Batman (pelo que deve ser a última vez) e TAMBÉM com o Batman de Michael Keaton.

Aliás, as fotos abaixo, liberadas durante o painel, não apenas mostram o novo uniforme do herói — que não vai mais ser aquela armadura feita de peças sobressalentes — mas também o colocam justamente ao lado de um Morcegão com a roupa do filme dirigido por Tim Burton, em 1989. Levemos em consideração que, pouco antes desta conversa começar, ainda rolou um painel inteiro sobre MULTIVERSO, a ideia de que se tenham histórias diferentes acontecendo na TV, nos gibis, nos cinemas. Ou seja, é melhor aceitarem de UMA VEZ que a DC terá liberdade para fazer filmes sobre seus personagens que não necessariamente conversem entre si, num universo convergente como o da Marvel. Cabô universo compartilhado (o que talvez seja uma ÓTIMA notícia).

O Esquadrão Suicida

Então, chegamos num dos pontos altos do DC Fandome — a revelação de que a escolha de James Gunn para o posto de diretor de uma nova tentativa de filme com os vilões forçados a serem heróis foi PERFEITA (só de dizer que sua inspiração clara foi a fase espetacular escrita por John Ostrander, já ganhou minha atenção). Além de um vídeo MARAVILHOSO que mistura algumas cenas do filme com imagens de bastidores, já mostrando o divino tom de GALHOFA desta gigantesca farofa, com uniforme coloridos e tudo mais, eles soltaram um vídeo que enfim confirma quem vai interpretar quem neste elencão.

Tá bom que tava fácil de saber que Viola Davis (Amanda Waller), Margot Robbie (Arlequina), Joel Kinnaman (Rick Flag) e Jai Courtney (Capitão Bumerangue) voltariam nos mesmos papéis de outrora.

Mas aí temos Michael Rooker como Sábio (Savant, no original, um milionário mimado que se torna um chantagista de mão cheia), Flula Borg como Dardo (Javelin, no original, um atleta olímpico que usa um arsenal de armas baseadas em lanças e, claro, dardos), David Dastmalchian como Bolinha (Polka-Dot Man, no original, cujas esferas em seu uniforme podem ser usadas como armas diversas, quase como um cinto de utilidades do Batman), Daniela Melchior como Caça-Ratos 2 (Ratcatcher 2, no original, provavelmente uma versão do Caça-Ratos original, quase uma versão do Flautista de Hamelin com seu exército de roedores), Peter Capaldi como Pensador (Thinker, no original, um homem brilhante cuja inteligência avançada é o principal poder), John Cena como Pacificador (Peacemaker, no original, um especialista da arte de matar tipo o Justiceiro), Idris Elba como Sanguinário (Bloodsport, no original, outro matador que já meteu bala de kryptonita até no Superman), Mayling NG como Mongal (uma guerreira alienígena, filha do vilão cósmico Mongul), Pete Davidson como Blackguard (um operativo criminoso com longo histórico de atrocidades) e o Sean Gunn como Doninha (Weasel, no original, uma vítima de bullying que cria uma persona peluda para se vingar).

Uma das grandes dúvidas permanece sendo Nathan Fillion como T.D.K., que não tem um correspondente direto nos gibis mas muita gente aposta que seja uma sigla para The Detachable Kid e, portanto, inspirado no Arm-Fall-Off-Boy, que arrancava os braços para usar como armas. Outra questão é quem diabos é a Solsoria vivida pela brasileira Alice Braga. As apostas dos especialistas em gibis dizem que ela seria uma versão feminina de Juan Soria, um cara com nanorobôs nas mãos que lhe permitem abrir qualquer fechadura.

Sim, sim, também teremos o Tubarão-Rei no filme — o enorme monstro de dentes afiados todo em CGI cuja voz será do comediante Steve Agee. Mas ainda não descobrimos qual será o papel de Taika Waititi no filme… Apostas?

Super Choque

Aí que rolou um painel SURPRESA, talvez um dos poucos dedicados quase que essencialmente à parte “quadrinhos” do negócio, confirmando o retorno do selo Milestone, fundado originalmente nos anos 1990 e cujo objetivo era dar espaço para personagens que representassem minorias – e que, claro, também se refletiria nas equipes criativas. Além de disponibilizar digitalmente todo o material original, eles farão uma série de HQs digitais do Super Choque e uma graphic novel dele (cortesia da dupla Reginald Hudlin e Kyle Baker) e mais uma graphic novel da dupla Ícone e Rocket (também com roteiro de Hudlin mas arte de Denys Cowan).

Mas como o assunto aqui são as adaptações, de fato, claaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaro que Hudlin, um cineasta por natureza, tinha uma carta na manga — e deixou todo mundo pirando ao anunciar que estão em negociações avançadas para levar o herói adolescente Super Choque aos cinemas. Sim, sim, aquele mesmo que virou cult com um desenho animado delicioso e cheio de discussões sobre racismo e diferenças de classe lá no começo dos anos 2000. “Quando falamos com Jim Lee sobre reviver a linha, dissemos ‘bom, sabemos que tivemos gibis de sucesso e uma animação de sucesso, mas é hora de expandir para outras áreas’. O que estamos discutindo agora é inacreditável. Estamos falando com todas as outras divisões da Warner, incluindo o departamento de animação, que faz todos aqueles filmes incríveis para o mercado de home entertainment. Também estamos discutindo novas mídias, como podcasts. Queremos entregar Milestone Media onde você estiver, não importa a plataforma que queira usar”.

The Flash – Agora falando sobre a série!

O pilar mais fraco da atual linha de séries da DC no canal CW, apesar de se tratar do personagem mais célebre entre todos, o Velocista Escarlate vivido por Grant Gustin tá garantido na sétima temporada – sendo que a sexta acabou mais cedo graças à pandemia. Afinal, o episódio 19, “Success Is Assured”, acabou virando o season finale, e algumas cenas já rodadas do episódio 20, que seria o final DE FATO, foram usadas no trailer liberado durante o evento.

Temos Eva McCulloch/Mestra dos Espelhos (Efrat Dor) tocando o terror, Iris (Candice Patton) ainda presa no Universo dos Espelhos, o retorno da vilã Pião (Top, no original, vivida por Ashley Rickards), diretamente da terceira temporada, e a confirmação do Godspeed como um dos principais antagonistas. “Eu quero me certificar de que os novos fãs, aqueles jovens que estão lendo os gibis neste exato momento, se sintam bem-vindos na história do programa. Não são apenas os vilões da Era de Prata e da Era de Bronze”, explica o showrunner Eric Wallace. “Pode ter um menino ou menina lendo as HQs do Flash agora mesmo e pensando: cadê meus vilões, os vilões da minha geração?”.

Adão Negro

Finalmente tivemos um MÍNIMO de informação a respeito da produção envolvendo o anti-herói do universo do Shazam – e para fazer um painel vencedor, tudo que a DC precisou fazer foi convocar a verdadeira máquina de carisma que atende pelo nome de Dwayne “The Rock” Johnson. O cara nem precisou de muito. Tudo que ele fez foi sorrir diante de um cenário virtual, responder algumas perguntas de fãs, mostrar uns trailers feitos apenas e tão somente com imagens conceituais (mas que já dão um ar de como deve ser o filme) e pronto, foi The Rock sendo The Rock. Tá ótimo.

Ah, sim, claro, ele também confirmou que teremos a Sociedade da Justiça encarando a fúria de seus punhos de aço. Além do Noah Centineo como Esmaga-Átomo, que já tinha sido anunciado, teremos Gavião Negro (AÊCARAIO), Senhor Destino e a Cyclone (pra quem não conhece, a neta do Tornado Vermelho original). A treta vai ser da boa! Façam suas apostas sobre possíveis intérpretes para estes personagens.

Titans

Sobre a série dos jovens heróis da DC, apesar do elenco inteiro ali reunido – incluindo a Damaris Lewis, que voltará como a vilã Blackfire, irmã da Estelar – tivemos poucas novidades. Soubemos que, na vindoura terceira temporada, eles vão se mudar pra Gotham City. Que o Doutor Jonathan Crane, aka Espantalho, deve aparecer. E que os boatos sobre Barbara Gordon também dar as caras eram verdadeiros mesmo. Mas ainda não temos confirmação de atores que irão interpretá-los.

Talvez a grande novidade MESMO seja que o Jason Todd de Curran Walters, o Robin que saiu de cena putaço no final da temporada 2, vai retornar como a sua segunda alcunha dos gibis, o Capuz Vermelho (Red Hood). A rivalidade com Dick Grayson, agora como Asa Noturna, deve definitivamente se expandir às alturas. Papai Bruce vai ter trabalho…

Shazam!

Bom, reunir parte do elenco do filme original para falar sobre um segundo filme a respeito do qual não se tem ainda NENHUMA informação, olha só, parecia uma ideia ruim. E foi, hahahaha. Mas eles souberam brincar bem com a situação em um painel bem curto e ainda usaram o carisma monstro da graciosa Faithe Herman (a versão criança da Darla) para anunciar o subtítulo oficial da continuação: Fury of The Gods.

Pois soltaram esta arte não-oficial, como se fosse um desenho infantil feito pela própria atriz para juntar todo mundo e anunciar o nome. Muito que bem.

Mas aí tem o sujeito de chapéu no meio da imagem, que também estava no painel, um comediante chamado Sinbad. E, bom, tá aí o caso de um daqueles easter eggs só para iniciados nas lendas urbanas raiz do mundo do entretenimento. A saber: em 1996, saiu “Kazaam”, um filme (ruim) sobre um gênio da lâmpada vivido pelo jogador de basquete Shaquille O’Neil. Só que aí rolou uma acusação de plágio, de que a película na verdade era cópia descarada de “Shazaam”, filme no qual o tal do Sinbad TAMBÉM interpreta um gênio. Mas… adivinha só – o filme de Sinbad não existe. Nunca aconteceu. É uma espécie de alucinação coletiva, já que tem gente que JURA ter visto a parada. Tornou-se uma piada recorrente em Hollywood. Como o nome é similar, claro, o diretor gostou da provocação.

Não sabemos ainda se Sinbad REALMENTE estará no segundo Shazam!, para tornar a piada ainda maior. Mas aguardemos os desdobramentos.

Suicide Squad: Kill the Justice League

E enquanto “Gotham Knights” não é necessariamente continuação dos jogos da série “Batman: Arkham” e nem é produzido pelo mesmo time, eis que a Warner foi lá dar OUTRA de suas propriedades nas mãos da Rocksteady Studios, que tratou de colocar a trama na mesma linha cronológica dos jogos do Morcegão, aliás.

Pouco se sabe sobre a sinopse, na real, mas o que vemos no trailer (beeeeeeeeeeeeem legal, aliás) é um time formado por Arlequina, Capitão Bumerangue, Tubarão-Rei e Pistoleiro em uma Metrópolis aparentemente invadida pelo Brainiac. E aí surge um Superman numa pegada vilanesca que dá claramente a impressão de estar sendo controlado por alguém. Talvez tenhamos o Brainiac comandando mentalmente a Liga e então a Amanda envia o Esquadrão para dar cabo dos heróis agora jogando em outro time? Talvez.

O jogo será um four-player co-op shooter – significa que dá pra jogar com outros três amigos ou então com o computador (se for o caso, em tese você pode ir trocando de personagens).

De qualquer maneira, “Suicide Squad: Kill the Justice League” chega em 2022 para PS5, Xbox Series X e PC.

The Batman

E pra fechar, enfim, chegamos no popularmente conhecido como Battinson, o filme do diretor Matt Reeves estrelado por um Robert Pattinson que segue deixando putaços um monte de nerds velhos mundo afora e só por isso já nos faz achar que este tem chances de ser o melhor live-action do Morcegão EVER. Dito isso, a gente aqui realmente gosta do Robinho enquanto ator e achamos uma mancada sem tamanho ele ser lembrado apenas por “Crepúsculo” quando fez uma porrada de outros papéis maravilhosos em filmes incríveis nos últimos anos (alô, “O Farol”, por favor?).

(agora, cá entre nós, se ele tivesse só “Crepúsculo” no currículo, continuaria sendo muito divertido ver certa parcela de batmaníacos pirando, portanto…)

Depois de ver Reeves falar tão apaixonadamente sobre o projeto, a prévia em vídeo liberada na sequência pareceu ainda mais empolgante. É um Batman ainda em começo de carreira, numa Gotham que ainda não confia num vigilante vestido de Morcego dando porrada pra lá e pra cá. A promessa de que FINALMENTE teremos um Batman exercendo sua faceta detetive nos cinemas parece ser verdadeira. Há quem arrisque que o personagem mascarado de Paul Dano, principal vilão da trama, não seja de fato o Charada, mas sim o Mestre das Pistas (Cluemaster) ou, quem sabe, uma versão do Silêncio. E aquele rosto, AQUELE ROSTO, seria ele de fato o Pinguim a ser vivido por Colin Farrell?

De resto, fica o destaque para o gibi que o diretor destacou como sendo uma de suas inspirações quando perguntado sobre qual obra daria caldo ao roteiro do filme: “Batman – Ego”, de 2000. Tamos falando de Darwyn Cooke contando uma história do Cavaleiro das Trevas ainda novato tendo que lidar com suas próprias dúvidas e com a pressão de se tornar o protetor de Gotham. Pelo que se vê abaixo, faz MUITO sentido.

Post a Comment