Jornalismo de cultura pop com um jeitinho brasileiro.

A nova fase da rivalidade entre Genô e Gertrú

Quadrinista mineiro Sunça lança gibi completamente inédito com novas histórias das divertidas vovós que brigam pelas coisas que realmente importam na vida

Por THIAGO CARDIM

“Mestre e doutorando em autossabotagem desde 1986”. A descrição que o quadrinista e cartunista mineiro Felipe Assumpção Soares, o Sunça, faz de si mesmo é divertida, mas definitivamente não é lá muito justa. Porque, apesar de ser um cara que, como eu e você, muito provavelmente enfrenta a tal da síndrome do impostor de vez em quando, a última coisa que ele parece fazer é permitir que isso o impeça de produzir CONTEÚDO. Um monte dele, aliás.

Atleticano fanático, publicitário e professor de pintura digital, o cara publica charges e cartuns na internet, já lançou três HQs, tem um podcast (O Cartunista Frustrado), um programa de rádio (Onda Rabiscada), escreve críticas de cinema, além de contos e crônicas de humor. Pra completar, o sujeito ainda consegue manter, com certa regularidade, DUAS contas do Instagram, uma desenhando vacas e outra registrando suas aventuras na cozinha.

Se o cara faz tudo isso se sabotando, imagina só se não se sabotasse…

Pra completar, Sunça ainda é o pai da Genô e da Gertrú. Quer dizer… quase isso. Porque elas têm idade para ser suas avós. Ou minhas também.

Uma rivalidade que tem história…

Em um papo exclusivo com o Gibizilla, o autor conta que tudo começou em novembro de 2015, quando rabiscou duas vovós em seu caderno de desenhos. “Me empolguei e comecei a rascunhar pequenas histórias onde uma implicava com a outra”, explica. “Inspirado pela série Spy vs Spy do Antonio Prohías, a ideia era fazer duas senhoras que brigavam por algo simples, como por exemplo o banco da praça”.

Nasciam aí Genôveva e Gertrúdes, ou melhor, Genô e Gertrú, senhoras simpáticas em constantes embates e desavenças pelas coisas que realmente importam, como o pãozinho da padaria, o último pacotinho de adoçante e o cupom do jornal. “Elas nos mostram que amizade e rivalidade podem estar muito próximas e que podemos rir de situações e irritações da vida e de nosso cotidiano”.

A série das senhoras se materializou DE FATO em novembro de 2016, quando Sunça fez uma tira em formato pôster para vender na edição da CCXP daquele ano. Mas Genô e Gertrú só ganharam páginas mesmo quando, em dezembro de 2017, ele lançou um pequeno gibi de vinte páginas também na CCXP. “Desde então, queria lançar um quadrinho mais extenso, explorando mais a narrativa visual e brincando com as estruturas do gibi”.

De lá pra cá, o quadrinista rabiscou algumas histórias, tiras e cartuns com a dupla, que ele acabou publicando online no seu Instagram e em plataformas de quadrinhos como o Tapas. Mas eis que, em 2021, as senhorinhas ganham sua HQ completa, batizada de Genô e Gertrú – Abalando as Estruturas, um projeto selecionado pelo Edital da Lei Aldir Blanc 2020.

Com material totalmente inédito, são quatro histórias de quatorze páginas cada, com narrativas visuais mais extensas, mas ainda sem diálogos. Sunça não apenas mexeu no visual das duas (“Simplifiquei alguns elementos, melhorei as silhuetas e exagerei em algumas características. Elas continuam as mesmas, porém com um design um pouco mais funcional”), como também explorou novas formas de contar suas tramas.

“Toda vez que escrevo novas histórias e embates para Genô e Gertrú, sinto que aprendo mais sobre narrativa visual, cartum e humor gestual”, afirma. “Adoro fazer histórias engraçadas contadas através da pantomima”.

Fica aí um recado pros lombadeiros (hahaha)

Sunça quis que esta HQ fosse, antes de tudo, um material acessível, fugindo da atual tendência do mercado de oferecer gibi de capa dura e grandes formatos. “Sair do colecionismo e da gourmetização dos quadrinhos”, provoca ele. “Uma revista com material gráfico de qualidade, mas com foco em ser um entretenimento alegre e divertido. Uma revista que quando você acaba de ler, você quer mostrar, contar ou emprestar para alguém”.

Basicamente, algo com aquela ALMA de gibi que a gente comprava na banca. Mas a lógica saudosista de outrora, claro, de ir na padaria comprar o pãozinho e aproveitar para passar na banca e voltar com o gibi (been there, done that), não é das mais simples nos dias de hoje, em especial para um artista independente. “A logística de distribuição é complicada e funcional apenas para grandes editoras. Porém, sigo empenhado”. Natural de Belo Horizonte, Sunça já conseguiu por lá uma banca para disponibilizar o material. “Também já estou em contato com lojas especializadas de outros estados”.

Agora que ele sente que tem uma publicação sólida da dupla, elas devem ficar um tempo sem dar as caras nos gibis impressos. “Justamente para que eu possa contar novas histórias de outros personagens. Porém, Genôveva e Gertrúdes vão continuar a aparecer nas minhas redes e em plataformas de quadrinhos online”.

Pra quem se interessou, Genô e Gertrú – Abalando as Estruturasdisponível na Amazon e, se você compra lá, claro que ajuda este que vos escreve. Todavia, claro, também dá pra comprar direto lá na lojinha do autor, o que acaba dando aquela força pra que ele continue produzindo novos trabalhos. Independente lá, independente aqui.

Comments
  • Poxa! Muito obrigado pelo apoio. Fiquei feliz demais com a matéria. Um trabalho cuidadoso, completo e de qualidade! E que venham mais quadrinhos… Valeu demais!

    1 de setembro de 2021
  • Guilherme

    Essa é uma das melhores revistas que li nos últimos tempos. História excelente, arte maravilhosa e uma qualidade sensacional. Parabéns ao autor

    2 de setembro de 2021
  • GUILHERME AUGUSTO PEREIRA ARAUJO

    Que quadrinho maravilhoso. Arte, história e qualidade muito acima da media

    2 de setembro de 2021
Post a Comment